PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O DIABETES MELLITUS

diabetes-mellitus-faq

1-O que é diabetes mellitus?

Diabetes Mellitus ou simplesmente, diabetes, é uma doença crônica na qual ocorre um aumento exagerado da glicemia (açúcar no sangue).

A glicose aumentada no sangue (hiperglicemia) provoca vários problemas ao organismo com o passar do tempo.

Embora não tenha cura, o diabetes tem tratamento. O bom controle da glicemia pode evitar complicações e promover uma boa qualidade de vida para o diabético.

2- O que é a glicose?

A glicose é um tipo de açúcar simples. Serve como fonte de energia para as células que formam o nosso organismo.

Quando nos alimentamos, os alimentos ricos em carboidratos (açúcares complexos e simples), como pães, massas, doces, batata ou arroz sofrem digestão, sendo transformados em açúcares simples e absorvidos.

O valor normal da glicose no sangue, em jejum, fica entre 70 e 99 mg/dl.

3- Comer muitos doces ou açúcar pode causar o diabetes?

Não, comer muitos doces ou açúcar não causa o diabetes. Porém, esses alimentos são ricos em calorias e são rapidamente absorvidos pelo organismo, favorecendo o ganho de peso.

Estar com excesso de peso é um fator de risco para desenvolver o diabetes mellitus.

4- Quais são as causas do diabetes?

As causas variam de acordo com o tipo do diabetes.

Podem estar relacionadas com a redução da produção e secreção de insulina e/ou com a dificuldade da insulina agir no organismo (resistência à insulina).

5- O que é a resistência à insulina?

Na resistência à insulina há a necessidade de uma quantidade cada vez maior de insulina para fazer com que uma mesma quantidade de glicose presente no sangue consiga entrar nas células.

Podemos imaginar que a insulina seja uma “chave” que abre as “fechaduras” presentes nas paredes das células permitindo a entrada da glicose para o interior delas, onde será utilizada como combustível.

Quando há resistência à insulina, o número de “fechaduras” esta reduzido ou não funciona direito, sendo necessária uma quantidade cada vez maior de insulina (a “chave”) para permitir que a glicose entre nas células.

Assim sendo, para compensar essa resistência, as células beta do pâncreas aumentam, progressivamente, a produção de insulina, até que começam a falhar, não sendo mais possível a manutenção de níveis normais de glicose no sangue.

6- Como saber se a pessoa tem diabetes?

Para saber se a pessoa tem diabetes e qual o tipo do diabetes é necessário consultar o médico que fará o diagnóstico por meio da história clínica, do exame físico e dos exames laboratoriais.

Você tem diabetes se o resultado da glicose em jejum for maior que 125 mg/dl (126mg/dl ou mais).

Porém, para que se confirme o diagnóstico, deve-se repetir o teste de glicemia em jejum em outro dia.

Caso os resultados da glicemia de jejum fiquem entre 100 e 125mg/dl, aconselha-se a realização do teste oral de tolerância à glicose (TOTG), ou curva glicêmica, para que seja possível confirmar o diagnóstico de diabetes.

O diagnóstico pelo TOTG ou curva glicêmica é confirmado quando existem dois ou mais resultados acima de 200 mg/dl, sendo necessário que um deles corresponda à coleta de sangue de 2 horas após ter tomado a solução de glicose (líquido açucarado).

O diagnóstico do diabetes também pode ser feito se você tiver um resultado de glicemia ocasional, a qualquer momento do dia, maior que 200 mg/dl, acompanhado de sintomas.

7-Quais são os sintomas do diabetes?

Muitas pessoas tem diabetes, mas não sabem, pois não tem sintomas.

Isso geralmente acontece quando os níveis de açúcar no sangue não estão muito altos.

Quando os valores da glicose estão muito altos, os sintomas e sinais mais comuns são

  • Urinar muito (poliúria)
  • Muita sede (polidpsia)
  • Muita fome (polifagia)
  • Visão embaçada
  • Perda de peso
  • Cansaço
  • Hálito cetônico (cheiro de maçã velha)

😯 diabetes pode passar para outras pessoas, é transmissível?

Não, o diabetes não é uma doença transmissível, nenhum tipo de diabetes pode ser transmitido por contato com alguém com diabetes.

9- O diabetes é uma doença genética, hereditária?

Depende. Alguns tipos de diabetes tem uma história hereditária bem definida, ou seja, várias pessoas de gerações diferentes de uma mesma família com diabetes (avós, pais, tios e filhos com diabetes).

Em outros casos, não. Pode surgir alguém com diabetes numa família na qual ninguém teve diabetes.

10-O que é insulina?     

Insulina é um hormônio produzido pelas células beta do pâncreas. Tem a função de ajudar a glicose presente no sangue a entrar nas células do organismo.

Podemos imaginar que a insulina seja uma “chave” que abre as “fechaduras” presentes nas paredes das células permitindo a entrada da glicose para o interior delas, onde será utilizada como combustível.

Quando nos alimentamos, os níveis de glicose no sangue aumentam, estimulando o pâncreas a secretar a insulina.

A insulina secretada no sangue facilita a entrada da glicose nas células do organismo, como as dos músculos, fígado ou coração.

11-Quais são os tipos mais comuns de diabetes?

Os tipos mais comuns de diabetes são: Tipo 1, Tipo 2 e o Gestacional (que surge durante a gravidez).

12-O que é diabetes tipo 1?

Diabetes tipo 1 (DM 1), também conhecido por diabetes insulinodependente, é causado pela destruição das células beta do pâncreas, que são responsáveis pela produção de insulina. A destruição das células beta é provocada por anticorpos produzidos pelo sistema imunitário da própria pessoa.

No DM 1 o organismo deixa de produzir insulina na quantidade necessária para controlar o nível de açúcar no sangue (glicemia), levando ao seu aumento e causando a hiperglicemia.

Por isso, as pessoas com diabetes tipo 1 precisam receber injeções diárias de insulina para manter normal o seu nível glicose no sangue.

Por ocorrer mais durante a infância e juventude, o diabetes tipo 1 também foi chamado como diabetes infanto-juvenil.

No diabetes tipo 1 os sintomas podem aparecer repentinamente e ser necessária uma internação hospitalar de urgência para controle dos altos níveis de glicemia.

13-É possível prevenir o diabetes tipo 1?

Não, não há prevenção conhecida contra o diabetes tipo1.

14-Precisar usar insulina é o resultado de um mau controle do diabetes?

Não, o uso de insulina é indicado quando o pâncreas não produz insulina ou a sua produção é insuficiente para manter os níveis de glicose no sangue normais.

Isso acontece no diabetes mellitus tipo 1 e, muitas vezes, após alguns anos de tratamento do diabetes mellitus tipo 2.

15-O uso de insulina prejudica a visão? Eu posso ficar cego depois de pouco tempo de uso de insulina?

Não, a insulina não prejudica a visão.

O problema que fez muita gente acreditar que a insulina fazia mal para os olhos foi que muitos pacientes que estavam com o diabetes mal controlado demoraram muito tempo para iniciar o uso de insulina, por receio de ter que aplicar insulina, por medo das injeções.

Muitos deles desenvolveram complicações nos olhos (retinopatia) que acabaram por se manifestar quando finalmente passaram a usar insulina.

Se a utilização de insulina tivesse ocorrido mais cedo, com um controle melhor da glicemia, essa complicação poderia ter sido evitada ou, pelo menos, retardada.

16-O que é diabetes tipo 2?

O diabetes tipo 2 é uma doença crônica causada por uma deficiente produção e secreção de insulina pelo pâncreas, levando a um aumento dos níveis de açúcar no sangue (hiperglicemia), podendo estar associado à dificuldade da ação da insulina, situação chamada de resistência à insulina.

Pessoas com diabetes tipo 2, geralmente, apresentam outros casos da doença na família (herança genética). É mais comum nos adultos com excesso de peso e após os 40-50 anos de idade, mas pode surgir em crianças e jovens com obesidade.

No diabetes tipo 2 os sintomas podem aparecer de forma lenta e não serem percebidos durante meses ou anos.

17- O que é diabetes gestacional?

O diabetes gestacional, como o próprio nome diz, é o diabetes que surge durante a gravidez.

Algumas mulheres, a partir da metade da gestação, apresentam alterações no organismo que causam aumento da glicose no sangue (hiperglicemia).

A hiperglicemia esta relacionada ao aumento de hormônios com ação contrária à insulina, que elevam os níveis de glicose, ou que provocam resistência à ação da insulina.

Após o parto, geralmente, o organismo da mulher retorna às condições normais anteriores ao surgimento do diabetes gestacional.

Como algumas mulheres podem desenvolver diabetes depois da gravidez, deve ser reavaliada a presença do diabetes 4 a 6 semanas após o parto.

17- O que é pré-diabetes?

Pré-diabetes é um termo utilizado em duas situações nas quais a chance da pessoa desenvolver diabetes mellitus ao longo do tempo é maior:

  • Glicemia em jejum alterada: termo usado para as pessoas que tem valores de glicose em jejum acima do normal, mas que não são altos o suficiente para serem diagnosticadas como diabéticas.

Nessa situação a glicose em jejum fica entre 100 e 125mg/dl.

  • Tolerância oral à glicose diminuída: termo usado para as pessoas que tem valores elevados da glicose durante o teste oral de tolerância à glicose (TOTG), mas que não são altos o suficiente para serem diagnosticadas diabéticas.

Nessa situação, o valor da glicose 2 horas após o início do TOTG é maior 140mg/dl, mas menor que 200mg/dl.

18-O que é hemoglobina glicada ou glicosilada (HbA1c)?

O exame de dosagem da hemoglobina glicada é um exame de sangue que dá uma ideia da glicemia durante um certo período.

É como um pequeno “filme” a respeito do controle glicêmico, que mostra a média da glicemia nos últimos 2 a 3 meses.

Neste exame é medida a porcentagem de hemoglobina, substância presente nos glóbulos vermelhos ou hemácias que dá cor vermelha ao sangue, que esta ligada com a glicose.

Como a glicose não precisa da insulina para entrar nas hemácias, quanto maior for a quantidade de glicose no sangue, maior será a taxa de hemoglobina glicada ou glicosilada.

Como o tempo médio de vida das hemácias é de 90 a 120 dias, esse teste reflete a situação média da glicose nesse período.

Resumindo, valores altos de HbA1c significam mau controle glicêmico do diabetes mellitus.

19- Qual o médico especialista em diabetes?

O endocrinologista é o especialista em diabetes, mas é o clínico geral que, muitas vezes, acompanha os pacientes com diabetes, pois muitos pacientes não têm acesso a um endocrinologista.

O número desses especialistas é bem menor que o número de clínicos gerais, e muitas cidades não dispõem desse profissional.

20- Quais são os outros profissionais de saúde que podem auxiliar no tratamento do diabetes?

O enfermeiro, o nutricionista, o psicólogo, o preparador físico e o podólogo são alguns dos profissionais que atuam no tratamento ao diabético.

  • Ficou alguma dúvida? Pergunte-nos ou faça seu comentário no espaço no final da página!

Mais informações

Estar bem com o Diabetes – Entender o Diabetes

Anúncios

2 Respostas para “PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O DIABETES MELLITUS

  1. Sou diabética tipo 2. E já fiz todos exames genealógico e está tudo normal. Mas tenho uma coceira na vagina quee nada resolve. E todos falam que é da diabetes. Será que não tem um creme algo para amenizar . Estou enlouquecendo. Obrigada aguardo resposta.

    Curtir

    • Olá Márcia Cristina. Você disse que já fez exames, porém é comum a infecção vaginal por fungos (candidíase) em diabéticos, sendo que as queixas mais comuns são coceira e ardência para urinar. Banhos de assento com bicarbonato de sódio (2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio para 1 litro de água) ajudam a melhorar os sintomas. Mas é necessário retornar ao médico para um tratamento adequado.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s